sexta-feira, 10 de março de 2017

Resenha - Kong: A Ilha da Caveira (Filme - 2017)


Não é difícil afirmar que King Kong é um legado para o cinema. Desde que estreou em 1933, já pudemos acompanhar de diversas formas a história do macaco gigante.  Mas será que depois de tantas décadas ainda é possível manter a magia dos primeiros filmes e trazer uma nova versão mais moderna aos fãs saudosos? É isso o que Kong: A Ilha da Caveira nos traz, ou tenta trazer.

Nessa nova história ambientada em 1971, temos uma equipe de cientistas acompanhada por uma fotógrafa, um guia e um grupo de soldados liderados pelo coronel Packard seguindo rumo a uma ilha misteriosa no Pacífico. Quando chegam ao local, claro, logo descobrem que as lendas na verdade eram reais, e que inúmeros monstros misteriosos habitavam o lugar. Sendo assim, esse se torna o pontapé inicial para o filme que se desenrola em uma sucessão de cenas que se misturam entre ação e suspense.

Dirigida pelo quase estreante Jordan Vogt-Roberts, Kong: A Ilha da Caveira triunfa nos efeitos especiais extremamente realistas que deixam o expectador sem fôlego, presenteando-nos com tomadas recheadas de um ritmo frenético, mortes avassaladoras e belíssimas paisagens. No entanto, por outro lado, o roteiro fracassa com furos excessivos e falas inadequadas, que beiram o teor folhetinesco das novelas turcas.

Apenas para citar alguns exemplos dos erros quase catastróficos, temos o momento onde a fotógrafa Mason Weaver, interpretada pela atriz Brie Larson, tenta levantar um helicóptero sozinha. Mais adiante, James Conrad, feito por Tom Hiddleston em seus segundos de heroísmo durante uma das cenas mais eletrizantes do filme, se encontra em uma área poluída por gás tóxico. E o que ele faz? Isso mesmo, retira a máscara de gás! Como é o herói, nada acontece. Nem mesmo uma falta de ar leve. Falha grave!

Ao mesmo tempo em que surpreendeu positivamente com os efeitos especiais fantásticos, o filme praticamente chamou o espectador de idiota ao apresentar inúmeras falhas de roteiro e falas inacreditáveis. No final, esse novo blockbuster que bebe da amada fonte do King Kong, consegue ser belíssimo aos olhos, mas sofrível a qualquer um que deseja fazer até mesmo a menor das interpretações durante as duas horas da obra.


Quer descansar a mente e assistir a um filme repleto de sangue e aventura? Assista Kong: A Ilha da Caveira. Busca algo mais complexo e profundo? Bem, está no lugar errado.

NOTA: 3/5 (Regular)

Data de lançamento 9 de março de 2017 (1h 59min)
Direção: Jordan Vogt-Roberts
Elenco: Tom Hiddleston, Samuel L. Jackson, Brie Larson e outros.
Gêneros Aventura, Fantasia, Ação




Um comentário:

  1. Perfeita colocação. Tb achei meio inacreditável a fotógrafa tentar levantar o helicóptero/avião sozinha. Mas achei uma belíssima obra,pena tb q não fugiu da proposta q King Kong trás.

    ResponderExcluir